12 erros comuns sobre a repatriação de recursos

A repatriação de recursos é um processo que exige muita atenção por parte do declarante pois alguns erros podem se tornar um verdadeiro problema.

Então é preciso estar atento às regras e realizar os procedimentos de forma correta para não correr esse risco.

Erros na repatriação de recursos

Para conhecer melhor quais são os 12erros comuns sobre a repatriação de recursos, continue lendo esse texto e veja logo abaixo onde não errar:

  • 1º dos 12 erros comuns sobre a repatriação de recursos: não conhecer os bens e direitos que podem ser declarados.

Não saber o que pode ser declarado pode fazer você deixar algum bem de fora da declaração ou mesmo tentar declarar algo que não está na lista. Então informe-se bem e não cai nesse erro!

  • 2º dos 12 erros comuns sobre a repatriação de recursos: declarar bens comprados depois da data indicada

Bens adquiridos depois de 31 de dezembro do ano de 2014 não se enquadram nos requisitos dessa lei, logo não estão protegidos por ela.

  • 3º dos 12 erros comuns sobre a repatriação de recursos: perder a data para o processo

O processo de anistia para a repatriação de recursos está valendo desde o dia 4 de abril desse ano, mas seu prazo é somente até o dia 31 do mês de outubro. Logo, deixar essa data passar pode ser um grande erro pois você vai perde o direito a anistia.

  • 4º dos 12 erros comuns sobre a repatriação de recursos: fontes ilícitas

Caso você não saiba, somente podem ser declarados bens adquiridos através de fontes econômicas lícitas, ou seja, dinheiro de fontes ilegais ou não comprovadas não se enquadram na lei.

  • 5º dos 12 erros comuns sobre a repatriação de recursos: não declarar bens de titular falecido

Pode até ser que a pessoa já tenha falecido e que os bens já tenham passado à outras mãos, entretanto, se existiam na data especificada pela lei é preciso declará-los da mesma forma, em nome do titular falecido.

  • 6º dos 12 erros comuns sobre a repatriação de recursos: apresentar mais de uma declaração

Cada contribuinte pode apresentar apenas uma declaração, por isso é importante fazer tudo corretamente desde a primeira fez.

  • 7º dos 12 erros comuns sobre a repatriação de recursos: não retificar erros

Embora você só possa fazer uma declaração você pode sim retificar erros na declaração já feita. Um grande erro é não retificar pois qualquer erro identificado pode invalidar a declaração por completo.

  • 8º dos 12 erros comuns sobre a repatriação de recursos: não pagar os devidos tributos

Após fazer a declaração dos seus bens você terá que pagar os tributos correspondentes a 15% do valor total do patrimônio.

  • 9º dos 12 erros comuns sobre a repatriação de recursos: pagar os tributos em atraso

Se os tributos forem pagos depois do prazo estipulado o pagamento é desconsiderado e ao contribuinte serão aplicados os procedimentos referentes a não adesão.

  • 10º dos 12 erros comuns sobre a repatriação de recursos: não declarar bens de interpostas pessoas

Se você for o proprietário dos bens e direitos que estão no nome de interpostas pessoas é preciso identificá-las e declará-los no seu nome para ficar em conformidade com a nova lei de repatriação de recursos.

  • 11º dos 12 erros comuns sobre a repatriação de recursos: não declarar o valor correto

É preciso declarar o valor dos bens corretamente pois qualquer discordância dos valores pode levar a anulação do processo de repatriação de imputação legal.

  • 12º dos 12 erros comuns sobre a repatriação de recursos: não atualizar o IR

Depois de feita a repatriação dos recursos é necessário levar os relatórios para a Receita Federal para ajustar o seu Imposto de Renda do ano calendário referente à declaração.

Agora você já sabe quais são os erros comuns sobre a repatriação de recursos. Fique atento para não cometê-los.