O Principal dilema das pequenas empresas brasileiras

O Principal dilema das pequenas empresas brasileiras

Consultoria Tributária       29 de janeiro de 2015

Conhecidas por faturarem entre  2,4 a 16 milhões de reais temos as pequenas empresas que sofrem bastante com a carga tributária pois a limitação do faturamento faz com que essas empresas tenham que aderir ao lucro presumido ou ao lucro real. Apesar de serem mais estruturadas que as microempresas elas sofrem com questões de controle admnistrativo que antes não tinham, logo em alguns casos o lucro real fica em segundo plano.

Dentre as exigências do governo o controle com o fisco tambem passa a aumentar e a realidade do SPED passa a ser vivida mais de perto entre tantos problemas temos  soluções que ajudam o empreendedor desse porte como o uso de relatórios gerenciais  que vão ajuda-lo a ter uma visão mais ampla da empresa e um ferramenta que tem como meta a redução dos impostos que é o planejamento tributário.

Diante do exposto percebe-se que o planejamento tributário reverte em grandes benefícios para as empresas, consequentemente esse planejamento vai exigir mais dos profissionais da área contábil. É necessário a um profissional desta área, entender, compreender e dominar a legislação fiscal de nosso país, dos estados, distrito federal e municípios dos quais seus clientes são contribuintes. Em relação aos controles gerenciais eles são muito necessários nesse período de transição pois um maior controle nos custos, formação de preços, apuração de resultados e análises financeiras provavelmente trarão retorno no futuro.

substituição tributária recupere receita

Dívidas tributárias e o REFIS

Outro ponto que temos observado é que as pequenas empresas na sua grande maioria acabam endividas seja por dívidas bancárias ou tributárias, apesar de uma pequena empresa ter bastante dificuldade com financiamento isso acontece e acontece muito.

Recentemente observamos uma medida provisória que fala sobre o PERT ou seja o novo refis, na medida em essencial as empresas que possuem no débito no simples nacional não puderam ser inseridas.

Um grande equívoco afinal grande parte das empresas no Brasil são pequenas e por sinal são as maiores geradoras de emprego.