custo da mercadoria importada

3 passos para calcular o custo da mercadoria importada

Movido, em parte, pelo atual cenário econômico brasileiro, muitas empresas têm buscado cada vez mais oferecer preços atrativos ao consumidor. A competitividade está mais do que nunca em alta, e nesse cenário uma das alternativas que surgem para os gestores é a importação de novos itens ou matérias-primas.

Mesmo com o dólar próximo aos R$ 4,00, devido ao cenário apresentado, cada vez mais empresas buscam na importação uma resposta. Entretanto, elas encontram um enorme muro de custos e burocracias para realizar esse tipo de operação.

A grande dúvida que surge nesse cenário é: como posso fazer para calcular o custo de uma importação?

Porque é tão complicado importar?

Durante mais de 10 anos prestando serviços para empresas de importação, um dos grandes aprendizados que tive é que empresas de importação praticamente não existem. Importação é uma atividade que a empresa realiza, não um segmento de negócio. Às empresas que fazem importação, em sua imensa maioria, são distribuidores. Ou seja, são empresas que compram mercadorias de um local e as levam para outro, mais próximo de seu consumidor final. Existem algumas poucas empresas que possuem em sua atividade fim a importação. São as chamadas trading companies, que são empresas especializadas em resolver as burocracias no processo de importação.

Falando em burocracias, no mundo ideal, ser importador deveria ser apenas um pequeno detalhe: o fato da empresa fornecedora não possuir instalação no Brasil. Entretanto, infelizmente, estamos no país que ocupa a posição 109º no ranking mundial em facilidade para ser fazer negócios. Importação, como era de se esperar, não seria tão simples no Brasil.

Com tanta burocracia e falta de previsibilidade, a dúvida que mais escuto dos clientes que querem começar a importar é: qual o custo para se realizar uma importação?

Abaixo você vai encontrar os 3 passos para se calcular o custo de uma importação.

Passo 1: Custo do Produto (VMLE)

O primeiro passo para se chegar ao valor da mercadoria importada é calcular o VMLE, ou seja, o valor da mercadoria no local de embarque. Esse passo é relativamente simples, pois é o custo comercial, que depende da negociação entre sua empresa e o fornecedor. Basta solicitar uma cotação com seu fornecedor e aplicar a taxa de câmbio atual.

Esse link do SEBRAE pode ajudar você a buscar fornecedores estrangeiros.

Pronto, esse é o VMLE. Simpĺes não? Infelizmente, o que vem pela frente é bem mais complicado.

Passo 2: Custo dos Serviços

Para importar você vai precisar contratar uma série de serviços acessórios. Alguns são obrigatórios, outros são extremamente recomendados. Entretanto, ao montar uma planilha de custos na importação, é importante prever todos esses itens. Os mais comuns são:

  • Frete Internacional

Você vai precisar para trazer a mercadoria para o Brasil.

  • Seguro de Transporte Internacional

Você não vai querer perder todo seu investimento caso exista algum problema com o navio, certo? Então é melhor segurar sua carga.

  • Inspeção no Fornecedor

Serviço indispensável reduzir riscos com seu fornecedor. Imagina descobrir que caiu numa fraude somente no dia que sua mercadoria chega?

  • Despesas Bancárias

É necessário para realizar o fechamento do câmbio, dedução em conta dos valores dos impostos em conta corrente, entre outros serviços.

  • Taxas Portuárias

São despesas relacionadas ao manuseio em terminal portuário, a famosa capatazia.

  • Taxa de Armazenagem

A taxa de armazenagem varia de acordo com o tempo que a mercadoria ficará armazenada no estabelecimento. Alguns locais de armazenagem já divulgam nos sites suas tarifas, como é o caso do Aeroporto de Guarulhos.

  • Despachante Aduaneiro
  • O despachante aduaneiro é o profissional responsável por intermediar as questões legais, como documentos dos órgãos federais e outros procedimentos, para que as importações transcorram sem dores de cabeça em relação à legislação. Aqui você encontra algumas dicas de como contratar um bom despachante aduaneiro.
  • Frete Interno

Frete para transportar a carga do recinto alfandegado até seu local de armazenagem.

  • ERP

Você vai precisar a partir do momento que a mercadoria chegar no país, tanto para emitir uma Nota Fiscal de Importação quanto para gerenciar o estoque realizar suas vendas depois. Dica: procure um ERP que emita NF-e de Importação para não passar 3 dias pra fazer a nota fiscal.

Passo 3: Impostos e outras taxas

Achou o passo 2 complicado? Pois bem, agora prepare-se para a última e mais complicada etapa: os impostos e tarifas.

As três primeiras coisas que você precisa saber sobre impostos na importação são:

  • São 4 tributos federais: II, IPI, PIS e COFINS;
  • Um tributo estadual: ICMS;
  • As alíquotas variam de produto para produto.

Para conhecer as alíquotas dos impostos, você precisará descobrir qual o NCM das mercadorias que irá importar. As mercadorias comercializadas internacionalmente no Brasil são, obrigatoriamente, classificadas por seu NCM desde 1996. A receita disponibiliza um site que ajuda na hora de encontrar a classificação correta da mercadoria.

Com o NCM definido, você poderá calcular os impostos da operação. Mas calma, se tratando de impostos não poderia ser tão simples assim, certo? Não adianta apenas aplicar as alíquotas sobre o VMLD (valor da mercadoria no local de destino). Existe uma hierarquia na aplicação dos impostos.

A tabela abaixo mostra como encontrar a base de cálculo de cada um dos impostos.

ImpostoBase de Cálculo
IIVMLD
IPIVMLD + II
PISVMLD
COFINSVMLD
ICMSVMLD + II + IPI + PIS + COFINS + TX SISCOMEX + AFRMM (marinha mercante) + ICMS

*obs: VMLD = VMLE + Frete + Seguro

Nesse post você vai encontrar um passo a passo sobre como calcular os impostos e emitir a nota fiscal de importação.

Nesse link a receita disponibiliza um simulador de tratamento tributário e administrativo das importações: http://www4.receita.fazenda.gov.br/simulador/

Além dos impostos, existe outro custo que muitos importadores esquecem: o custo da regulamentação. Se você for importar algum brinquedo, por exemplo, precisará certificar o produto no INMETRO. Quanto custa? Nem o próprio INMETRO disponibiliza essa informação publicamente. Veja o que seu site diz:

“Não é possível determinar exatamente o custo de uma certificação e o tempo para que esse processo seja concluído, de maneira genérica, uma vez que isso varia de produto para produto..”

Outro ponto a atentar é quanto ao direito de uso de marca. Por exemplo, conheço um importador que teve sua carga apreendida porque não possuía licença de marca do produto. Seu produto? Minions (sim, aquele personagem do filme Meu Malvado Favorito) de pelucia. A dica é pesquisar se seu produto necessidade de regulamentação ou licenciamento.

Conclusão

O ato de importar, que deveria ser meramente um detalhe do negócio, acaba se tornando uma nova expertise da empresa, necessitando de muito estudo, além de profissionais com conhecimento e experiência no assunto. Ainda assim, importar é abrir sua empresa para um mundo inteiro de oportunidades, algo fundamental no mercado competitivo às empresas enfrentam.

Publicado por: Eduardo Ferreira